Você sabia que o ‘lado escuro’ é mais claro do que o ‘lado próximo’ da Lua?

A Lua sempre foi muito observada e admirada por nós humanos. Não foi à toa que nós fomos visitá-la algumas vezes e a estudamos tanto. Aqui, no Mega Curioso, o satélite natural da Terra está sempre marcando presença, como no artigo em que apresentamos uma imagem da NASA que mostra o lado escuro da Lua.

Pois bem, uma publicação do site KnowledgeNuts revela que o lado que nós conhecemos como “mais próximo” pode ser mais escuro do que o chamado “lado escuro da Lua”. A verdade é que, até que a sonda soviética Luna 3 e as missões Apollo revelassem o outro lado do nosso satélite natural, que não contém os “mares lunares”, responsáveis pelas manchas mais escuras na superfície do astro, nós não sabíamos nada sobre a parte que não está virada para nós. Sim, é importante lembrar que daqui da Terra nós só enxergamos um lado da Lua, pois a rotação ocorre na mesma velocidade em que ela orbita o planeta e mantém a mesma parte da superfície voltada para cá.

Como o satélite natural também orbita o Sol, a verdade é que o lado que nós não enxergamos não é mais claro, nem escuro, do que aquele que está voltado para a Terra. Antes se imaginava que o brilho próprio da Terra tornava o lado próximo mais claro do que o lado escuro da Lua, o que não procede.

No entanto, os mares lunares, que são formados de pedras de lava basáltica expelida em erupções vulcânicas passadas e causam as manchas escuras na superfície do astro, cobrem cerca de 30% do lado da Lua que está mais próximo da Terra. Enquanto isso, na parte “escura”, essas áreas marcadas cobrem apenas 2%. Nesse local, a superfície lunar apresenta um número muito maior de crateras originadas por impactos de asteroides.

A diferença na quantidade de mares e crateras entre os lados é a questão que causa mais dúvidas nos cientistas. Isso porque inicialmente se acreditava que a gravidade terrestre protegia o “lado próximo” do impacto de asteroides e cometas, enquanto o mais afastado não. Porém, segundo cálculos matemáticos, apenas 1% desses corpos que atingiriam a face voltada para nós são bloqueados pelo planeta.

A teoria foi deixada de lado na medida em que se constatou que a distância da Terra para a Lua é de 40 vezes o tamanho do planeta, pois há espaço suficiente para que esses corpos se coloquem entre as duas. Então outras surgiram, e uma das mais fortes é a de que o satélite seria oblongo, que quer dizer que o comprimento é maior que a largura. Dessa forma, o lado mais próximo possui uma crosta consideravelmente mais fina que o outro.

Com os impactos das rochas na parte que fica mais distante do planeta, a crosta resistente apenas forma crateras. Já no lado mais fino, os choques provocam aberturas e rachaduras que causam erupções de lava basáltica, consequentemente, provocando um maior número de manchas escuras.

Fonte: http://www.megacurioso.com.br/

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s