Assista um buraco negro devorar uma estrela.

Em 2009, um flash de luz muito brilhante foi capturado pelo telescópio Rotse IIIb, provocando confusão quanto à sua origem. Agora, um artigo publicado no “The Astrophysical Journal” propõe que o evento foi uma estrela agonizante sendo engolida por um buraco negro. No entanto, a “mordida” está provando ser extraordinariamente difícil para o buraco negro.

Quando o ROTSE3 J120847.9+430121 foi observado, em 21 de janeiro de 2009, como parte da Projeto de Verificação Supernova Rotse (RSVP), surgiram quatro teorias sobre o que poderia ter causado um evento tão breve e brilhante. Poderia ser o resultado de duas estrelas de nêutrons se fundindo, uma explosão de raios gama cuja radiação teria ido para longe de nós, uma supernova superluminosa (uma nova categoria destinada às mais brilhantes explosões estelares conhecidas) ou uma estrela sendo devorada pelo buraco negro supermassivo no centro da sua galáxia.

Levou seis anos e alguns dias, mas agora uma equipe internacional de astrônomos acredita ter resolvido o mistério, concluindo que o evento – apelidado de “Dougie” em homenagem a um personagem de South Park, que serve como um ajudante para o Professor Chaos – se encaixa na última categoria.

O evento foi certamente luminoso – seu desvio para o vermelho o colocava a 2,9 bilhões de anos-luz de distância, na qual seu brilho observado se traduziria em uma magnitude absoluta de -22,5, seis vezes mais luminoso do que toda a Via Láctea e equivalente à supernova mais brilhante de que se tem conhecimento.

Extensos estudos sobre o brilho de Dougie, que desaparecia rapidamente, combinados com a modelagem de cada um dos processos físicos, sugere que o consumo de uma estrela era a melhor explicação. Testemunhar um buraco negro no processo de destruição de uma estrela não é comum, mas tais eventos foram vistos várias vezes. Parte da confusão sobre a identidade do Dougie, no entanto, é que ele não se parecia com nenhum dos eventos anteriores.

“Tivemos a ideia de que poderia ser um evento de ‘interrupção de maré’”, disse o co-autor do estudo J. Craig Wheeler, da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos. “Quando uma estrela passa perto de um buraco negro, o lado mais próximo é puxado com mais força que o lado mais distante”, explica. “Essas marés especialmente grandes podem ser fortes o suficiente para que a estrela fique do formato de um macarrão instantâneo”.

Como resultado, diz Wheeler, a estrela não entra diretamente no buraco negro. “Ela pode formar um disco antes. Mas o buraco negro está destinado a engolir mais daquele material”.

No entanto, como um crocodilo que resiste ao ser comido por uma cobra, a estrela não simplesmente aceita a sua destruição. Mesmo quando dilacerada, ela irradia intensamente.

Os autores concluem que isso não acontece porque ela é particularmente grande, já que tem apenas cerca de 80% da massa do sol, mas sim porque o buraco negro tem a massa de cerca de um milhão de sóis, o que é “bastante modesto”, nas palavras de Wheeler, e representa menos de um quarto da massa daquele que existe no centro de nossa própria galáxia, por exemplo.

Fonte: http://hypescience.com/

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Acesse nosso Google+ – https://plus.google.com/10760548481248821010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s