Sonoluminescência – O poder do sol em uma garrafa?

Tecnicamente podemos conceituar a sonoluminescência como uma técnica capaz de transformar energia sonora em energia luminosa. É produzido pela ação do ultrassom sobre uma bolha de ar microscópica (na ordem de 0,0005 milímetros) suspensa no interior de algum líquido não metálico, como a água, por exemplo, e a consequente produção de flashes luminosos de elevada frequência. Para produzir sonoluminescência coerente, essa bolha de ar deve estar suspensa na água e ser bombardeada por ondas acústicas de elevada frequência.

Um dispositivo utilizado para produzir o fenômeno consiste basicamente de um recipiente de vidro (geralmente esférico) contendo água pura, acoplado a um circuito gerador de ultrassom capaz de produzir uma onda mecânica com frequências superiores a 20.000 Hz, ou seja, acima da faixa audível pelo ser humano. Em virtude de uma variação controlada dessa frequência nas vibrações acústicas, a bolha de ar sofre um aumento drástico em seu volume (cerca de 1000 vezes seu valor inicial) seguido de uma redução na mesma ordem de grandeza, o que se interpreta como sendo uma implosão. Como consequência desse ciclo expansão-contração instantânea observa-se uma elevação da temperatura nesse microponto na ordem de dezenas de milhares de graus Celsius (oC), lembrando as temperaturas da coroa solar.

Veja abaixo um vídeo do fenômeno.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/34/Sonoluminescence_of_Synthetic_Ordnance_Gel.ogv

Alguns autores afirmam a possibilidade de se chegar à ordem de milhões de graus Celsius (oC), rivalizando com as temperaturas do núcleo solar, mas tal efeito ainda não foi comprovado.

Aí vão alguns exemplos:

1) Universidade da Califórnia (USA)

Quando a bolha colapsa, ondas de choque esféricas são criadas. A temperatura, na ordem de milhões de graus Celsius (º C) e  a pressão resultante, maiores que milhares de vezes a pressão atmosférica, fazem com que com o gás no interior da bolha se transforme em um plasma, que emite luz.

2. Universidade do Texas  e Naval Postgraduate School (USA)

As ondas de choque, formadas com o colapso da bolha, induzem colisões entre as moléculas neutras do gás contido em seu interior, produzindo luz e atingindo temperaturas entre 10.000º C e 20.000ºC.

3. Instituto Meurice (Bélgica)

Ao invés de ondas de choque, as oscilações da bolha injetam pequenos jatos de líquidos eletricamente carregados em seu interior, produzindo luz.

4. Universidade do Mississipi (USA)

A alta pressão dentro da bolha faz com que a água ao seu redor congele, e a luz é produzida quando o gelo se quebra.

5. Universidade de Illinois (USA)

A teoria quântica de campos prevê (efeito Unruh) a conversão de “fótons virtuais, no vácuo, em fótons reais (que apresentam uma distribuição de energias de um corpo negro) quando um espelho é acelerado no vácuo”. A diferença no índice de refração entre a água e a superfície da bolha age como um espelho, convertendo fótons virtuais em fótons reais, quando se move devido à contração e expansão da bolha.

Enquanto a polêmica continua, tal evento pode ser observado na natureza no comportamento de caça bem peculiar do camarão-de-estalo; uma espécie barulhenta dos camarões marinhos (família Alpheidae) que recebe tal nome por produzir um pico sonoro (estalo) muito forte.

Descobriu-se que esse crustáceo além da produção desse som característico, produz também ondas de choque de altíssima frequência, capaz de gerar sonoluminescência e obviamente paralisar (e, em alguns casos, até matar) suas presas.

Sua interpretação tem sido polêmica e existem várias teorias que tentam explicar o fenômeno.

O fenômeno da sonoluminescência é conhecido desde a década de 30, porém foi só no final da década de 1980 que deixou de ser uma simples curiosidade de laboratório, quando o cientista Felipe Gaitan, da Universidade do Mississipi, conseguiu isolar uma única bolha de ar e exibir regularidade na emissão luminosa, além de produzir temperaturas semelhantes as da coroa e da superfície solar.

Muitos cientistas começaram a ver na sonoluminescência  um caminho para a produção de fusão nuclear a frio. Recordando que fusão nuclear é o mesmo processo físico que ocorre nas estrelas e nas bombas de hidrogênio, no qual dois núcleos atômicos  de hidrogênio se juntam para formar um núcleo de hélio, liberando nesse processo uma grande quantidade de energia.

Também se aventa a possibilidade de usar a sonoluminescência como técnicas de purificação da água e como sistemas de propulsão para embarcações, no entanto, a ideia de, por meio desse fenômeno, se retirar o poder da energia solar de dentro de uma garrafa de água continua alimentando o sonho de alguns cientistas, enquanto que a tentativa de explica-lo de forma conclusiva tem tirado o sono de muitos outros.

Fonte: http://hypescience.com

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s