E se a Terra tivesse anéis como os de Saturno?

Imagine se o nosso céu fosse cortado por anéis? Seria um belo espetáculo, não é verdade? Porém, a Terra já teve anel um dia como parte da formação da Lua. De acordo com a teoria do grande impacto, quando o planeta Theia colidiu com a Terra uma quantidade titânica de material foi destruída e espalhada pelo espaço. Tudo isso entrou em órbita em torno da Terra, formando um anel até que todos os materiais eventualmente se fundiram em nosso satélite de hoje, que podemos enxergar em suas várias fases. Isso só aconteceu porque o material estava em órbita fora do limite de Roche da Terra. Mas o que esse limite tem a ver com os anéis?

186784235004740286

Na verdade, tudo. Em 1848, o matemático francês Edouard Roche calculou que, se um grande satélite se aproximasse muito de um planeta, o primeiro seria dilacerado pelas forças gravitacionais do segundo. Isso acontece porque a atração gravitacional de um planeta em uma lua não é dividido de forma igual. O planeta “puxa” mais para o lado da lua mais próximo dele, e menos no lado mais afastado. Se a lua fica muito perto, essa atração desigual pode se tornar grande o suficiente para rasgar o satélite ao meio. Dessa forma, cada planeta tem o que é chamado de um limite de Roche, e os anéis de Saturno ficam inteiramente dentro dele.

Alguns astrônomos acreditam que os anéis de Saturno são o material que não foi capaz de formar uma lua, porque se encontra exatamente dentro do limite de Roche do planeta. Sendo assim, a atração gravitacional de Saturno evita que as partículas se aglomerem para formar uma lua.

Outra ideia popular entre os cientistas sugere que, durante o tempo em que Saturno estava se formando, havia uma ou mais luas fora do seu limite de Roche. Quanto maior for um planeta, mais gravidade ele tem. E quanto mais a gravidade se tem, maior é o seu limite de Roche.

Com isso, assim que Saturno crescia, o seu limite de Roche cresceu também, englobando as duas luas, que logo se desfizeram em partículas, o que deu origem aos anéis. De acordo com os pesquisadores, pode ainda haver grandes pedaços destas luas antigas dentro dos anéis — e isso também poderia ter acontecido com a Terra. Mas como seria?

18678423515132834-t640

Se tivéssemos anéis na mesma proporção para o nosso planeta como os de Saturno, como eles seriam vistas em diferentes pontos da Terra? Segundo o site iO9, do Equador os anéis estariam passando diretamente sobre nossas cabeças, como uma linha brilhante, arqueando de horizonte a horizonte como na imagem acima.

Se fosse ao norte de Guatemala, os anéis começariam a se espalhar pelo céu, iluminando o lado escuro da lua devido ao aumento da luz solar sendo refletida neles, como você pode visualizar na imagem abaixo.

1867842351513297-t640

Movendo-se para algum lugar na Polinésia, sobre o Trópico de Capricórnio, a 23° da latitude sul, um panorama de 180° dá uma ideia de como seria a vista magnífica dos anéis. A borda da sombra é tingida de um alaranjado formado pela luz solar passando através da atmosfera da Terra.

18678423515132941-t640

De Washington, a 38° de latitude, os anéis começariam a afundar-se abaixo do horizonte.

18678423515133012-t640

Infelizmente, o artista Ron Miller, responsável pelas ilustrações desse artigo, não criou uma versão dos anéis vistos do Brasil. Mas seria um tanto interessante, não acha?

Fonte: http://io9.com

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s