Faça seu próprio experimento em um satélite de código aberto.

Que tal controlar um satélite científico e fazer seu próprio experimento espacial? Essa possibilidade não apenas já existe, como ela está dentro do orçamento da maioria das pessoas. Pesquisadores, estudantes e interessados em geral podem realizar seus projetos a bordo dos primeiros satélites artificiais de código aberto do mundo. O ArduSat-1 e o ArduSat-X foram levados para a Estação Espacial Internacional (ISS) a bordo do cargueiro espacial japonês HTV-4, o mesmo que levou o primeiro robô falante ao espaço.

010130130821-cubesats-iss

Conhecido como CubeSats, esses minissatélites são construídos a partir daplataforma de hardware livre Arduino. Cada um contém uma série de equipamentos de uso genérico, incluindo câmeras, espectrômetros e um contador Geiger, tudo embutido em um cubo de apenas 10 centímetros de lado. Da Estação, eles serão lançados ao espaço por meio de um equipamento testado pela primeira vez no ano passado: Essa técnica permite colocar pequenos satélites em órbita ao redor da Terra, eliminando a necessidade de veículos lançadores dedicados e tornando as missões de ciência-cidadã, como o ArduSat, mais acessíveis.

O lançamento inaugural foi parcialmente financiado por uma campanha Kickstarter, com pessoas de todo o mundo comprando alguns dos intervalos de tempo dos satélites para executar seus próprios experimentos. “Ninguém deu às pessoas o acesso aos satélites da forma que estamos fazendo com o ArduSat,” comemora Chris Wake, da NanoSatisfi, a empresa que construiu e irá e operar os nanossatélites.

Quando sobrarem janelas de tempo dos CubeSats, os interessados poderão programar os controles dos satélites e executar experimentos durante três dias por US$ 125, ou por uma semana por US$ 250. Ainda não foram anunciados os primeiros projetos que serão executados nos dois Ardusats, mas a lista de candidatos inclui o rastreamento de meteoritos e a montagem de um modelo 3D da magnetosfera da Terra.

Os dois primeiros CubeSats ficarão em órbita de três a sete meses, antes de se queimarem na reentrada na atmosfera. Os planos da NanoSatisfi incluem enviar frotas deles ao espaço em futuros lançamentos.

“Estamos focados em lançar vários deles nos próximos anos,” disse Wake. “Em cinco anos, gostaríamos de ver 100, 150 deles no espaço, atingindo meio milhão de alunos.” Enquanto isso, a NASA abriu inscrições para a sua própria CubeSat Launch Initiative, cujas inscrições ficarão abertas até 26 de Novembro.

Os desenvolvedores cujas propostas forem selecionados poderão ver seus próprios nanossatélites lançados como cargas auxiliares em missões com lançamentos programados entre 2014 e 2017. O custo de desenvolvimento dos CubeSats correrá por conta dos interessados. Pelo programa, a NASA anunciará as melhores propostas em 7 de Fevereiro do próximo ano.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s