Astrônomos descobrem um campo magnético incrivelmente forte.

O núcleo morto de uma estrela massiva está produzindo um dos campos magnéticos mais poderosos já registrados pelos cientistas. Medindo apenas 12 quilômetros de diâmetro, o “magnetar” está exercendo uma força 20 trilhões de vezes maior que um ímã de geladeira. Quando os astrônomos descobriram a estrela morta em junho de 2009, batizada de SGR 0418 5729, suas medições iniciais indicaram um campo magnético excepcionalmente baixo. Uma nova análise realizada com o telescópio espacial XMM-Newton da ESA (agência espacial europeia) mostrou que o magnetar, um tipo particular de estrela de nêutrons, possui na verdade uma atração magnética incrível.

ku-bigpic8-600x337

Estrelas de nêutrons são os restos de estrelas maciças que entraram em colapso depois de queimar todo o seu combustível e se tornaram uma supernova. Elas são objetos extremamente densos, abarrotados com mais massa do que o nosso sol em um espaço do tamanho de uma cidade – com entre 10 e 20 km de diâmetro. Algumas estrelas de nêutrons passam, numa parte breve de sua existência, a agir como um magnetar – assim nomeados por conta de seus campos magnéticos extremamente intensos, que são bilhões de vezes maiores do que aqueles produzidos por imagens de ressonância magnética. De vez em quando, esses magnetars entram em erupção com explosões de radiação de alta energia.

Medições iniciais do SGR 0148, que fica a cerca de 6.500 anos-luz da Terra, indicaram uma força magnética de 6×10¹² gauss – cerca de 100 vezes abaixo do que normalmente se observa em magnetares. “Gauss” é a unidade padrão utilizada para medir campos magnéticos. Um ímã do refrigerador típico carrega cerca de 50 Gauss, e uma máquina de fMRI (ressonância magnética funcional) cerca de 70.000 gauss. A observação do estranho e inesperado campo magnético fraco do SGR 0148 tinha a ver com a forma como ele foi medido. Magnetares giram um pouco mais lentamente do que estrelas de nêutrons, mas ainda podem fazer uma rotação completa em poucos segundos. Astrônomos podem determinar a força magnética pela medição da velocidade à qual a rotação está diminuindo, mas esta técnica não permite medições mais detalhadas.

ku-xlarge-11-600x337

Uma técnica nova, desenvolvida por Andrea Tiengo, do Instituto Universitário Studi di Superiori em Pavia, Itália, envolve a medição das variações do espectro de raios-X do magnetar em intervalos de tempo muito curtos, cada vez que gira. Isto permite análises muito mais detalhadas e precisas – que revelam, potencialmente, o maior campo magnético já observado pela ciência. Usando a nova técnica, SGR 0148 apresentou um campo magnético superforte e retorcido, atingindo 1×10¹⁵ gauss em uma pequena região da superfície – com algumas centenas de metros de diâmetro. Isso é mais do que um quatrilhão de Gauss. Fonte: http://hypescience.com/ Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s