Marte: o que aprendemos nos últimos 5 anos.

Marte é o planeta do nosso sistema solar que mais desperta a curiosidade das pessoas e dos cientistas – tanto que esse é o nome dado à última nave da NASA enviada ao astro avermelhado. Quarto planeta a partir do sol, Marte, nome dado em homenagem ao deus romano da guerra, de fato lutou contra a maioria dos nossos avanços científicos por bastante tempo: mais da metade das naves espaciais enviadas para estudá-lo fracassaram, se perderam no espaço ou desmoronaram na superfície do planeta.Mars-600x563

E o que tanto queríamos saber sobre o planeta vermelho que continuamos insistindo? Um dos mistérios mais intrigantes do universo hoje: se existe vida extraterrestre. Não há como falar sobre Marte sem levantar a questão da vida. Muitos cientistas o consideram o lugar mais provável em nosso sistema solar em que a vida extraterrestre poderia ter se desenvolvido uma vez – ou mesmo ainda existir. Sendo assim, nos propusemos a responder se o planeta já abrigou vida; mas essa questão ainda está em aberto. O que sabemos, de fato, até agora?

Phoenix

No mês passado, no dia 25, fez cinco anos desde que a nave espacial Phoenix, da NASA, pousou no polo norte de Marte.
Segundo o Dr. Tom Pike, um dos cientistas da missão Phoenix, só agora é possível julgar o que a nave realmente alcançou em termos de progressos científicos.

Phoenix adicionou muito ao nosso conhecimento do planeta vermelho. Talvez sua conquista de maior destaque tenha sido cavar uma camada de gelo logo abaixo da superfície de Marte.

O material branco desenterrado parecia desaparecer lentamente. Esta foi a prova definitiva de que os cientistas haviam encontrado água congelada. Conforme um exame posterior de crateras de meteoritos frescos mostrou, essa camada de gelo não estava apenas onde Phoenix havia pousado, mas se estendia à direita mais ao norte do planeta.

Phoenix certamente foi a primeira missão a entrar diretamente em contato com o gelo, e derretê-lo. No entanto, já era conhecido há décadas que havia água na forma de gelo no planeta.

Apesar de menos divulgada, a mais importante descoberta de Phoenix foi, provavelmente, a presença de percloratos no solo marciano. Estes compostos químicos, ironicamente, haviam sido detectados pela adição de água trazida da Terra. Um dos instrumentos de Phoenix, MECA, foi capaz de olhar para assinaturas químicas fundamentais na sopa barrenta resultante, e a presença de perclorato ficou bastante clara.

O problema com o perclorato na Terra é que é muito solúvel em água. Encontrá-lo em abundância na superfície de Marte sugeria fortemente que não havia muita água líquida por lá há algum tempo, ou ela teria “lavado” os percloratos.

Dois microscópios de Phoenix contaram uma história similar. Os cientistas foram capazes de aumentar o zoom para uma resolução sem precedentes e ainda não conseguiram encontrar qualquer sinal de argila, a assinatura de água líquida.

Alguns anos depois, os pesquisadores concluíram que Marte deveria ser seco. A evidência química e microscópica de MECA apontava que não havia água líquida (fator essencial para a vida) na superfície de Marte.

Phoenix também foi capaz de olhar para a atmosfera acima do planeta, onde os cientistas viram pela primeira vez neve caindo do céu marciano. Água por toda parte, mas apenas na forma de gelo – certamente nada para beber.

Após cinco meses de operações da missão, Phoenix falhou durante o inverno do norte, com temperaturas abaixo de menos 100 graus Celsius e sem luz solar. Quando as sondas marcianas circulando o planeta foram mais uma vez capazes de observar Phoenix, ficou claro que o gelo havia condenado a nave – seus painéis solares tinham sido arrancados pelo peso da queda de neve no inverno.

Curiosity

Em agosto passado, a nave Curiosity chegou em Marte, pousando na cratera Gale, perto do equador do planeta. O rover carrega muito mais poder instrumental do que Phoenix, como seria de se esperar por cinco vezes mais o preço.

Os pesquisadores depositam bastante esperança no poderoso Laboratório Científico de Marte a bordo da Curiosity. Nos últimos nove meses, no entanto, apesar da nave ter progressivamente implantado toda a sua capacidade instrumental para analisar o solo marciano, Curiosity ainda não deixou Phoenix no chinelo.

A nave também encontrou perclorato no solo – é provável que a substância cubra o planeta – e a presença do mineral forsterita sugere que a água líquida ali é muito limitada. Como os microscópios de Phoenix, Curiosity não conseguiu encontrar argila no solo. O solo no equador parece ser tão seco quanto o solo das planícies do norte de Marte.

Phoenix deu a imagem mais conclusiva de inospitalidade da superfície de Marte até hoje. Curiosity produziu a mesma imagem, a partir de um local muito diferente do planeta. Mas Curiosity, ao contrário de Phoenix, pode estudar rochas antigas, uma vez que é capaz de “caminhar” e atravessar a cratera Gale. E, para alegria dos cientistas, a nave já coletou evidências mais úmidas e quentes a partir de antigas formações rochosas que mostram que o planeta pode ter sido muito diferente bilhões de anos atrás.

Até o momento, Curiosity não encontrou qualquer um dos compostos orgânicos que indicam a possibilidade de vida no planeta. Phoenix já havia dado mais do que um forte indício de que, mesmo se houvesse vida em Marte, ela não seria encontrada perto da superfície. Se Curiosity, ou qualquer outra missão, encontrar ou não sinais de que houve uma vez, há muito tempo, vida em Marte, Phoenix pelo menos merecerá um elogio por ter indicado a direção da pesquisa.

Acesse nosso Facebook – https://www.facebook.com/UniversoGenial?ref=hl

Acesse nosso Twitter – https://twitter.com/universo_genial

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s