Sagitário A, o nosso buraco negro!

Sagittarius A* (pronuncia-se Sagittarius A-estrela), também chamada de Sagitário A* (Sgr A* – sigla), é uma fonte de rádio astronômica brilhante e muito compacta localizada no centro da Via Láctea, perto da fronteira das constelações de Sagitário e Escorpião. É parte de um objeto astronômico maior conhecido como Sagittarius A.

Acredita-se que Sagitário A* seja a localização de um buraco negro supermassivo, como aqueles que geralmente estão nos centros da maioria das galáxias espirais e elípticas. As observações da estrela S2 em órbita ao redor de Sagitário A* foram usadas para mostrar sua presença e produzir dados sobre o buraco negro supermassivo central da Via Láctea e levaram à conclusão de que Sagitário A* é o local deste buraco negro. Os astrônomos têm sido incapazes de observar Sgr A* no espectro óptico devido ao efeito de 25 magnitudes de extinção pela poeira e gás entre a fonte e a Terra. Várias equipes de pesquisadores tentaram obter uma imagem Sagittarius A* no espectro de rádio usando Interferometria de Longa Linha de Base (VLBI – sigla em inglês). Continuar lendo

As Quatro Forças Fundamentais da Natureza

As forças fundamentais da natureza são aquelas que originam todas as outras forças que existem no universo.

Força gravitacional – É a força que mantém uma galáxia unida, os planetas girando ao redor do Sol e todas as pessoas presas na Terra. Pela teoria da relatividade geral, de Albert Einstein, a força gravitacional ocorre quando um corpo com massa deforma o tecido espaço-tempo ao seu redor e causa uma atração a outros corpos que fazem o mesmo. Acredita-se que essa força é mediada por uma partícula chamada gráviton que, por ser muito pequena, nunca foi detectada. É também a mais fraca de todas as 4 forças.

Força eletromagnética – Essa força ocorre quando existem corpos com cargas próximos o suficiente. Se as cargas forem de sinais diferentes, então a força é atrativa, se forem iguais, é repulsiva. A força eletromagnética é a mais presente no nosso dia-a-dia, sem ela seria impossível a formação de átomos, pois não haveria a força atrativa que mantém elétrons orbitando o núcleo do átomo. Ela também está presente quando andamos (atrito) ou quando encostamos em qualquer objeto. A força eletromagnética é mediada por uma partícula chama fóton, que também é responsável pela formação da luz. Continuar lendo

Fusão Nuclear

Dá-se o nome de fusão nuclear ao processo de combinação de dois núcleos atômicos para a formação de um terceiro elemento mais pesado. No momento da formação do novo elemento, há liberação de energia. As fusões nucleares não ocorrem naturalmente aqui na Terra. Para chocar dois elementos iguais e originar uma fusão, é necessária uma enorme quantidade de energia para vencer a força de repulsão eletrostática entre os elementos.

Essa força de repulsão recebe o nome de barreira de Coulomb. Em muitas estrelas no universo, como o Sol, esse processo ocorre naturalmente. A luz e o calor provenientes da estrela resultam da fusão de átomos de hidrogênio, o que produz átomos de Hélio e energia (luz + calor). A massa do átomo de Hélio é de fato maior que a soma das massas dos hidrogênios que o formam, mas não é exatamente o dobro. A conta não bate porque certa quantidade de matéria no momento da fusão é convertida em energia. Essa transformação foi prevista pelo físico Albert Einstein em sua famosa equação E = m.c2. O processo de fusão nuclear pode ser reproduzido em laboratório, mas ainda não de forma a gerar uma quantidade de energia considerável. Continuar lendo